Irlanda…

Nao temos dado muitas noticias em parte devido a extensa falta de tempo.. mas em breve tencionamos voltar a dar sinais de vida. Para ja fiquem com este video que nos caiu nas maos hoje directamente de um excelente blog Tugas em Dublin

Os Mercados…

Já por varias vezes falámos aqui nos mercados a que costumamos ir ao domingo.

Mas por vezes temos alguma dificuldade em saber onde é que é o mercado daquela semana e se vai haver sequer mercado naquele domingo, sim porque em meses que teem 5 domingos não há mercados.

Por isso aqui ficam os mercados da margem sul, note-se que nao sao todos os mercados, e nao é toda a margem sul, apenas aqueles que nós regularmente frequentamos.

  • 1º Domingo de cada mês: Azeitão
  • 2ª Domingo de cada mês: Pinhal Novo
  • 3º Domingo de cada mês: Coina
  • 4º Domingo de cada mês: Moita

E estes são os mercados que costumamos ir, fica aqui a lista e se tiverem alguma duvida ou queiram dar sugestões de mercados bons, são sempre bem vindas.

Obrigado e bom Fim de Semana para todos 🙂

O Feijão… em 2011/07/29

Há mais ou menos um mês plantámos Feijão Cara de Vaca, confessamos que não somos consumidores avidos de feijão, mas hei, tentar não custa.

E se no dia 22/06/2011 eles estavam já com optimo aspecto, agora ainda estão melhores.

Há dois fins de semana atrás tivemos que colocar as canas de sustentação para que o feijão possa subir a vontade, isto porque é do tipo de trepar. Depois faremos um post a mostrar mais em detalhe como fizemos a estrutura, apesar de ser muito simples, não custa nada partilhar 😉

São três quadrados no total, portanto o que da 12 pés de feijão, pensamos que vamos ter muito feijão se tudo correr bem. Achamos mesmo assim que tem algumas folhas com um aspecto um pouco seco, mas pensamos que seja normal, ainda estamos a ler mais um pouco sobre isso.

Este pé ja esta quase no topo das canas 🙂

Pensamos que irá ser mais um vegetal que irá ter sucesso na nossa pequena Quinta Faneca.

Exposição de Fotografia…

Num assunto que não tem muito a ver com os últimos assuntos falados aqui no estaminé, mas na realidade não deixa de ser um projecto nosso 🙂

Em 2008 eu e o meu amigo Pedro Moura Pinheiro, decidimos após uma longa conversa, cerca de 5 minutos, visitar Chernobyl, sim esse Chernobyl que estão a pensar, o do holocausto nuclear. E assim foi, preparamos tudo e a ideia era apanhar o avião uma sexta feira e voltar a casa a tempo de almoçar no domingo. Sendo que iríamos passar o sábado a visitar Chernobyl e Prypiat.

Aqui podem ver no meu flickr as fotos que tirei na altura, esta é apenas uma seleção de algumas das milhares que tirei na altura, fica também o link para o álbum do Pedro.

Entretanto passados 3 anos eis que recebo um email de um Sr chamado Emiliano Bartolucci de Roma, no qual me perguntava se estaria interessado em deixar expor as minhas fotografias numa exposição sem fins lucrativos, que iria haver em Roma este ano, sim leram bem em Roma…

Por isso ficámos muito felizes, porque a minha primeira exposição fotografia vai finalmente acontecer, e logo em Roma, uma das capitais mais importantes da Europa.

Este foi o email que recebi junto com o cartaz acima:

COMUNICATO STAMPA

Il 26 Aprile 1986 alle ore 1.23 presso la Centrale Nucleare di Černobyl in Ucraina, vicino al confine con la Bielorussia, si verificò il più grave incidente nucleare della storia. Una nube di materiali radioattivi fuoriusciti dal reattore 4  ricadde su vaste aree intorno alla centrale. Queste aree furono pesantemente contaminate,rendendo necessaria l’evacuazione e il trasferimento in altre zone di  circa 336.000 persone. Nubi radioattive raggiunsero anche l’Europa orientale, la Finlandia e la Scandinavia con livelli di contaminazione via via minori, raggiungendo anche l’Italia, la Francia, la Germania, la Svizzera, l’Austria, i Balcani, e perfino il Nord America.
A 25 anni di distanza un incidente analogo, causato da un terremoto in Giappone, sta mettendo in serio pericolo l’intero Paese nipponico alle prese con gravi fenomeni di contaminazione radioattiva. Il drammatico  avvenimento di Chernobyl ed il più recente vissuto nel Paese del Sol Levante testimoniano come i temi dell’ambiente siano divenuti fondamentali per la stessa sopravvivenza del pianeta Terra. I temi dello sviluppo produttivo e del consumo eccessivo delle risorse naturali devono divenire centrali nella nostra riflessione ed ispirare il lavoro delle istituzioni a qualsiasi livello. Ne va del futuro dei nostri figli e di tutto il genere umano.
Per queste ragioni l’Associazione Seven Cults, in collaborazione con la Provincia di Roma, ha realizzato la mostra fotografica “La notte di Chernobyl, difendere l’ambiente per salvare il pianeta” che sarà allestita presso la Sala Tom Benetollo di Palazzo Valentini (Via IV Novembre 119/a) dal 25 maggio al 6 giugno 2011
La presentazione della iniziativa e l’inaugurazione della mostra avranno luogo  Mercoledì 25 maggio a partire dalle ore 17.00 presso la Sala delle Bandiere a Palazzo Valentini. L’esposizione si avvale dei lavori di artisti quali Joao Rachena, Mads Eneqvist, Marco Bulgarelli ed Emiliano Bartolucci. Alla realizzazione della iniziativa hanno contribuito Stefano Simoncini e la rivista “Loop”, che già negli anni scorsi hanno affrontato i seri problemi che l’incidente nucleare ha prodotto sui bambini ucraini.
Nel corso della presentazione, alla quale parteciperanno Pina Maturani Presidente del Consiglio Provinciale e Alberto Filisio Presidente della Commissione Ambiente della Provincia di Roma, sarà data lettura di brani del romanzo “Guasto” di Christa Wolf ad opera dell’attrice Maddalena Rizzi.

Maurizio Bartolucci per l’Associazione seven Cults

Roma
Palazzo Valentini, Sala Tom Benetollo
Via IV Novembre, 119a
MOSTRA FOTOGRAFICA
dal 25 maggio al 6 giugno 2011
Ingresso libero
Orari: Lunedì-Venerdì 10-19
Sabato 10-13
Domenica chiuso

Estamos agora numa grande pesquisa por bilhetes baratos para irmos visitar a exposição, porque uma vez que é sem fins lucrativos, não há €€ para nos pagarem o bilhete para la irmos ver a exposição… 🙁 mas mesmo que não possamos ir ver, ficamos sempre muito felizes, porque, hei, afinal de contas é a Minha Exposição de Fotografia 🙂

Cabide…para fios…

Havia um programa que dava no People and Arts à coisa de 6 anos que não me lembro o nome que ensinava basicamente a re-aproveitar madeiras, que normalmente deitamos fora, para fazer outros objectos.

E falamos disto porque foi o que aconteceu este fim de semana.

Desde que fechámos o telheiro que ja nao tínhamos utilidade para um velho chapéu de sol com estrutura em madeira que andava para la a encher a garagem. Por isso das duas uma, ou cortavamos o rapaz em bocados pequeninos para acender o churrasco e a lareira ou simplesmente davamos lhe um fim mais digno :P…

Foi quando a Faneca se lembrou que ja há algum tempo andava a precisar de um cabide para os seus milhares de fios que até a data estavam ou em gavetas ou pendurados num quadro de cortiça com pioneses, que faz bem o seu trabalho, mas simplesmente já não aguenta com a carga 🙂

Ora isso era facil, uns cortes aqui e uns cortes ali e tinhamos a primeira estrutura, 4 ripas presas umas as outras por intermedio de umas travessas.

Muito a moda antiga. Claro que não podiamos perder a oportunidade de usar a nossa pregadora de pressão.

O que nos levou a descobrir que a mesma esta com uma pequena fuga de ar e por isso mesmo vamos ter que fazer uma pequena manutenção hoje a noite.

Enfim voltando ao Cabide. Ja tinhamos a estrutura principal, e agora usando sempre coisas que tinhamos lá por casa, era preciso pensar nas peças que iriam suportar os fios concretamente. Foi quando nos lembramos de “esquadrias” 😉

Cortando 11 bocados de madeira com angulo de um lado e angulo inverso do outro lado tínhamos uns belos “suportes” . Mais uma vez era só usar a maquina de pregos e pumba, problema resolvido.

Faltava arranjarmos maneira de prender isto à parede, e para isso lá fomos a procura nas gavetas onde encontramos uns camarões que inclusive ficaram com a opção de regulação de altura.

Ariops…. o resultado final em menos de 1 hora foi este.

E pronto, a Faneca ja tem um cabide para os seus fios 🙂 e tudo com madeira reciclada e em menos de 1 hora.

Agora a próxima fase é feita pela Faneca e implica “personalizar” o cabide antes de ir para a parede.

A nota final é: Pensem sempre antes de deitar madeira fora se não daria para qualquer coisa deste género.

PS: Se alguém se lembrar do nome do programa que falamos no inicio deste post, será que nos poderia relembrar qual é? É que gostaríamos de voltar a ver.

Octavio Rechena…

O verdadeiro Manny Maozinhas que me ensinou quase tudo o que sei hoje…quem o conheceu sabe que não havia nada que não soubesse fazer… Bem havia uma coisa que ele odiava fazer, Pintar paredes e tectos…à, e assentar tijolo, também nunca teve muito jeito 😉 Mas no geral era um perfeccionista…

Estejas onde estiveres, FELIZ DIA DO PAI…

Componentes da SFG…

Ao contrário do que se pensa a SFG (Square Foot Garden) não leva só terra e adubo ou terra adubada, como preferirem.

Nós, é que por uma questão financeira optámos por arriscar a usar apenas terra adubada e não nos estamos a safar mal.

Mas para quem quiser saber ao certo o que deve meter dentro do canteiro aqui ficam as doses, da famosa “Mel’s Mix” como manda no livro do SFG:

  • 1/3 de Composto
  • 1/3 de Turfa
  • 1/3 de Vermiculite

Ora bem, o composto é facil, é so comprar ou fazemos o nosso próprio, e a turfa também é fácil de arranjar, é so irmos a uma grande superfice e comprar, claro que por vezes o melhor é irmos a um Horto ou centro de Jardinagem perto de nós, ate porque uma das grandes vantagens é conseguimos por vezes bons negócios comprando em grandes quantidades, que vai ser aqui o caso.

Mas o problema estava em arranjar Vermiculite…que nem nunca tínhamos ouvido falar. Mas nada que uma boa pergunta num fórum que ainda é pequeno mas tem muito potencial, português,  nao ajudasse. 🙂

Por isso a proxima vez que forem ao Leroy ou a outra grande superfície, dêem uma olhadela pode ser que la haja. Se não houver tentem nos Hortos ou Centros de Jardinagem, e se ainda assim não houver, podem sempre comprar online na Loja da Maria – Vermiculita

Por isso se puderem e tiverem oportunidade usem as doses correctas uma vez que a taxa de sucesso é bem maior. Nós na próxima que fizermos vamos certamente usar a vermiculita, e talvez já o nosso próprio composto..sim, estamos a pensar começar a fazer compostagem, epah, já viram ao preço que estão os adubos???

Se souberem de outros sitios onde comprar a Vermiculita, por favor deixem ai nos comentários que nós agradecemos.

Plantando a horta…

Mais info mais logo…

As Chapas…

Na realidade este não foi o primeiro projecto, mas foi um dos que mais gozo me deu fazer ate porque sendo o orçamento muito reduzido tinha mesmo que ser eu a fazer e foi devido a este projecto de colocar as chapas que levou a re-descobrir um mundo de DIY que havia ai a minha espera e de coisas que eu queria/podia fazer na nossa casa.

Bem, passando as chapas, na realidade as chapas era um assunto que ja se debatia a algum tempo la por casa, porque sendo uma vivenda perto da estrada, queríamos ter alguma privacidade quando estávamos a assar umas bifanas e a beber umas minis! E que melhor altura para fazer isto do que o aproximar da Primavera, que leva a que as grandes superficies coloquem este tipo de artigos em promoção.

O nosso quintal sem chapas era assim:

Por isso vamos ao trabalho, tiradas as medidas ao quintal, la fomos para o Leroy Merlin a procura de chapas para forrar o quintal, a duvida colocava-se em chapas brancas ou verdes, ou ainda verdes por fora e cor “deslavada” por dentro, a diferença eram:

  1. Chapas Verde/Verde: 15.95€
  2. Chapas Verde/Deslavado: 10.95€
  3. Chapas Branca/Branca: 15.95€

Ok, eu sei que a diferença sao 5€, mas por 5€ merece a pena porque o quintal nao fica tao escuro, e sendo uma casa branca com um quintal relativamente pequeno, toda a luz faz falta. Por isso la apertamos um pouco o cinto e siga para as brancas.

Entao a lista de compras final ficou em:

  1. 8x Chapas de 1mx1m Branca/Branca
  2. 2x Caixas de Rebites de Aluminio

No final tive que devolver 1 caixa de rebites e uma chapa, nao sei que raio de contas fiz, mas sobrou-me uma chapa e meia, mas se o quintal tem 7.5 metros, e cada chapa tem 1 metro, nao davam 8 chapas?!?! enfim…

Sendo que o nosso muro ja tinha uma especie de gradeamento era so uma questao de tirar medidas e colocar um rebite a cada x centimetros, se nao tivesse gradeamento daria um pouco mais de trabalho e ficaria mais caro, mas ei nem tudo pode ser mau 😉  foi so mesmo furos e rebites…MUITOS FUROS e muitos REBITES… 98 de cada para ser mais preciso.

Uma das coisas que  me ajudou foi o facto de por acaso ter falado uns dias antes com um amigo no trabalho que me recomendou comprar uma broca de qualidade e me emprestou esta maravilhosa maquina de colocar rebites que lhe custou 25£ e digo-vos para o preço esta mais que bem paga, é que meus amigos, colocar 98 rebites é de rebentar os braços.

Enfim, no geral foram 5 horas de trabalho com paragem para almoço e minis, sim porque trabalhar sem beber umas minis é que não pode ser.

A montagem no geral foi relativamente facil. Vejam como ficou:

Efectivamente ficamos um pouco com menos luz no quintal, o que poderá dificultar um pouco o crescimento da relva naquela zona, mas a privacidade conta muito..e a relva ainda nem sequer esta plantada…

Fizemos um pequeno filme de 5 minutos que mostra as aventuras de montar as chapas e como vao ver, quem ainda nao viu, é muito muito facil.

Aqui fica o filme… As Chapas…

Duvidas em que possa ajudar, já sabem, deixei ai nos comentários que se eu souber ou conhecer quem saiba, re-encaminho.

Abraço e boas DIY.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...