Forno Solar aka Solar Oven…

Vivemos num pais cheio de sol, e quando digo cheio estamos realmente a falar de muito sol…pronto é um facto que este ano o Verão não tem sido dos melhores, mas a verdade é que normalmente temos muito sol.

Então e porque não aproveitar esse sol, para por exemplo – Cozer uns bolos, ou umas batatas, ou um belo peixe??

Yep, é isso mesmo, os fornos solares estão cada vez mais a ser usados e funcionam resumidamente por efeito de estufa. Este é um exemplo de um de compra:

Mas é um pouco caro, sendo que ronda à volta dos 250€…por isso como não podia deixar de ser, já estamos a investigar como vamos construir o nosso próprio forno, recorrendo a materiais de baixo custo, até porque se não correr bem, convém não gastar quase nada 😉

O que não falta prai nesta coisa da Internet, sao links para como construir o nosso proprio forno solar, ficam aqui alguns links;

E como não podia deixar de ser, fica também um video de um de compra:

E um DIY, que é o que nos gostamos mais:

Não temos a certeza se temos tempo, mas gostavamos de tentar começar a fazer o nosso proprio forno solar este fim de semana. 🙂

A Nossa Compostagem…em 2011/08/03

A ultima vez que falámos na nossa caixa de Compostagem, foi em 28/04/2011, ou seja à 4 meses, o que é efectivamente muito tempo.

O que podemos dizer sobre estes 4 meses, é que é muito fácil e rápido de nos habituarmos a fazer compostagem, não passa nada que possa servir para a compostagem que vá para o lixo comum directamente.

No inicio tivemos algumas dificuldades em acertar com as doses de Castanhos vs Verdes, mas assim que acertámos com a dose certa e com a humidade certa, aquilo decompoe que é uma maravilha.

Normalmente estamos a colocar dentro da caixa de compostagem uma média de um destes contentores por semana e ainda nao conseguimos que o contentor grande passe de meio, alias, conseguimos, mas apenas quando pedimos à minha mãe que nos dispense um saco de relva do quintal dela, que é perfeito porque trás mistura de relva e folhas secas, normalmente já nas quantidades certas.

Este é o aspecto que tem actualmente o topo da caixa, que esta pouco abaixo do meio.

Quando colocámos esta ultima dose de relva estava a menos de 1/4, ora se contabilizarmos 1 mini contentor por semana em 4 meses temos qualquer coisa como como 16 contentores de restos de cozinha, com mais ou menos um a dois quilos por contentor. Sim, não parece muito, mas se a isto juntarmos a relva, folhas secas, restos de palha, restos de serradura do dormitório das miúdas, e mais coisas que se possam por para lá para fazer o balanço de Castanhos/Verdes, é muito composto.

Não tirámos foto, mas vamos tirar em breve, do que esta por baixo desta camada verde/castanha o que é uma bela terra escura com um aroma a terra muito suave. Claro que pelo meio encontram-se ainda algumas cascas de ovo, algumas laranjas semi inteiras e isto porque não temos paciência nem tempo para as cortar em bocados pequenos antes de mandar para dentro do composto, o que aceleraria ainda mais o processo.

No inicio haviam alguns pontos que tínhamos medo que não estivessem correctos no manual, mas que afinal são mesmo verdade e podemos concluir que efectivamente o composto:

  • Não deita qualquer cheiro desagradável (desde que bem feito)
  • Não atrai bichos que não sejam naturais a uma caixa de compostagem (gatos, cães, e por ai fora)
  • Reduz substancialmente a quantidade de sacos de lixo que mandamos para o contentor geral.
  • Entre outros.

Por isso o que podemos aconselhar é que se tiverem hipótese e queiram usar boa terra nas vossas hortas, façam uma caixa de compostagem 🙂

Guardar as Nossas Sementes…

Desde o inicio dos tempos que o Homem sempre aproveitou as sementes de alguns dos alimentos que cultivava para no ano seguinte poder plantar novamente. Chama-se a isso Manter a Espécie, ok não sabemos se é assim que se chama, mas pelo menos é assim que lhe queremos chamar.

Antes de continuar, vamos apenas fazer uma pequena introdução de como as coisas estão hoje, no que respeita a Guardar as Sementes. Que se saiba, em Portugal ainda não sofremos do mal de leis contra guardar sementes, a não ser que usemos sementes de uma e determinada corporação que defende a “patente” de um determinado tipo de sementes! Espera, o que?!?! Yep, é isso mesmo, aparentemente hoje em dia em certo locais é proibido guardar as sementes para o ano que vem, sendo que algumas chegam até a ser modificadas geneticamente para não darem para plantar no ano seguinte…

Mais uma vez perguntamos: Onde é que vamos parar??

Fica este pequeno excerto do Filme que já aqui falei que devia ser visto por muita gente que é o Food, Inc. e onde fala realmente de um homem nos USA que a foi processado por guardar sementes:

Mas voltando a PT, por enquanto e que saibamos, ainda não há nada que nos impeça de guardar as sementes dos produtos que nascem na nossa horta, e no outro dia após um comentário de um dos nossos leitores decidimos que estava na hora de Aprendermos a Guardar as Nossas Sementes, é um facto que por enquanto vamos tendo o nosso patrocinador (Semenclasse) mas e depois? Como sempre ouvi dizer, o conhecimento não ocupa lugar, por isso vamos a isto. Ainda não temos muito para falar de como o fazer, mas sabemos que alguns produtos não é fácil, nomeadamente as alfaces. Encontrámos este pequeno site, com vídeos muito bons de como guardar sementes de alface, tomate, grão, entre outras. Deem uma olhadela que nós também já o estamos a fazer.

E mais uns links:

Depois daremos mais pormenores conforme formos guardando as sementes 🙂 e claro que não podia deixar de ser, sai mais uma categoria na secção DIY…

O Nosso Compost Tea…

Já foi há coisa de duas semanas que o fizemos e aplicámos nas nossas SFG’s, mas só agora tivemos tempo de reunir as fotografias e descrever um pouco o processo.

Então pelo que tínhamos escrito no post Compost Tea as coisas necessárias para fazer Chá de Composto são:

  • Um balde (18 litros pelo menos)
  • Um bocado de composto (nas quantidade correctas)
  • Agua (preferencialmente da chuva)

Ora bem, nós tínhamos tudo menos a água da chuva, mas tínhamos lá um garrafão de agua que já tinha mais de uma semana, por isso já não tinha cloro, logo era perfeita. Coincidência ou não, nesse dia depois de começarmos a fazer o Chá de Composto começou a chover e conseguimos mais um balde de água, o qual usamos para fazer ainda mais chá. 🙂

Mas vamos ao processo:

Para colocar o composto dentro de água usámos uma velha meia de vidro com bocados de composto que tirámos do nosso contentor de composto, há quem coloque directamente, mas depois implica “filtrar” a água antes de deitar na terra, por isso achámos que assim era mais simples. Colocámos tudo dentro do balde e pendurámos a “meia” é importante que não fique nenhum dos lados encostado nem ao fundo nem as paredes do balde, porque assim a água circula por todo o lado.

Usamos duas bombas, uma para gerar as bolhas de oxigénio, que é a que se vê na foto e outra, que é um velho filtro de aquário, sem o filtro, para fazer circular a agua dentro do balde.

E pronto, basicamente foi deixar isto a “marinar” durante 3 ou 4 dias, pensamos que não é preciso tanto tempo, mas como não tínhamos a bomba para circular a água logo de inicio, quisemos deixar mais 1 dia, just in case.

Depois dos 4 dias a “marinar” desligamos tudo e tinha um aroma que segundo o que lemos é o correcto, ou seja, cheirava a terra molhada, tipo assim quando caem as primeiras chuvas :). (Se cheirar a podre, deitem fora e comecem de novo)

Em seguida foi só pegar no balde e literalmente ir entornando o chá de composto por cima das plantas, aproveitando não só para regar as raízes como mandar algum chá para as folhas.

Há ainda outros sites que dizem para usarmos isto em 10 para 1 ou seja 10 doses de água para 1 de chá, mas como outros dizem para aplicar directamente, olha, arriscámos e metemos directamente.

Conclusões:

  • Coincidência ou não, os morangos que estão a nascer agora são bem maiores que os primeiros que tivemos :).
  • Dizem para, opcionalmente, adicionar melaço sem dióxido de enxofre, mas como infelizmente não conseguimos arranjar sem o dióxido de enxofre optamos por não colocar o melaço.
  • Para a próxima queremos fazer em mais quantidade e talvez usar um regador para a agua sair mais dispersa e ser melhor aproveitada.
  • Isto pode ser aplicado de duas em duas semanas, mas nós vamos para já aplicar uma vez por mês. E vamos vendo como corre.

Mais um projecto 😉 em termos de chás, falta-nos agora experimentar o Nettle Tea aka Cha de Urtigas.

Deep Liter – Galinheiro…

Já em vários posts falamos que estávamos a tentar usar no nosso galinheiro a técnica de Deep Litter, não sabemos qual é a tradução para português.

Decidimos fazer isto inicialmente pelo facto de que o nosso contentor de compostagem estava a ficar cheio e não estava a dar “andamento” a decompor palha de um galinheiro que todas as semanas era limpo.

Mas depois de lermos um pouco ficamos a saber que alem de fazermos composto directamente no galinheiro, ainda é bem mais saudavél para as miudas este tipo de técnica do que mudar a palha todas as semanas. 🙂 por isso é sempre a ganhar.

Então e no que consiste esta técnica?

Deep Litter

Deep litter is weird stuff. It’s different from a big heap of shaving or a compost pile with chickens living on the top of it. It’s worth looking at in some detail. Got your spading fork ready? (…)

— via Robert Plamondon’s Poultry Pages

Vejam o link, onde explica tudo muito bem, mas reduzindo um pouco o texto, consiste em ir adicionando camadas de palha/serradura/o que usarem para forrar o chão do vosso galinheiro. No nosso caso usamos palha, porque sai mais barato, o inconveniente de usar palha é que aparentemente retém muita humidade e tem que ser virada mais vezes.

Depois as galinhas que ate sao um animal que CA#$!GA que se farta, fazem em cima da palha e pronto, temos um verdadeiro centro de compostagem 😉

Mas claro que não é só isto, também tem muitas vantagem em termos de saúde para as galinhas, em termos de manutenção do galinheiro e também em termos de cheiros, sendo que desde que começamos a fazer esta tecnica o cheiro reduziu para quase 0. A única manutenção que fazemos é diariamente mandar para o chão bocados de milho/sementes/ração, para as incentivar a revolver o chão em busca de alimento, e deviam ver aquelas miúdas a cavar para encontrar comida, é um fartote ;). Depois semanalmente adicionamos um pouco de palha seca para manter o chão seco, mas passados 5 minutos da palha seca ter sido colocada já elas a revolveram toda e começam o processo de cavar novamente…

Para já estamos muito satisfeitos com esta técnica. Dentro da capoeira (zona de dormir e por ovos) continuamos a limpar duas vezes por semana, porque não temos espaço em altura para fazer esta técnica.

Fica um link em que explica muito bem tudo sobre Deep Litter:

E um post no BackYardChickens.com:

Mais uma vez esta ideia surgiu porque o vimos a ser usado pelos Dervaes com os seus animais. 🙂

King Corn – The Movie

Sem duvida mais um filme a ver…

King Corn is a humorous and touching documentary about two best friends who decide to move to Iowa to grow an acre of corn – after finding out (through laboratory hair analysis) that their bodies were made primarily out of….corn.  But this is not your typical buddy picture.  While it does trace a year in the life of two friends, the film is really about the history of corn in modern America and the filmmakers’ relationship with the crop they’ve decided to grow.

Este no âmbito um pouco diferente do que costumamos falar, mas mesmo assim dá que pensar, explica efectivamente o que é o milho e para que é usado hoje em dia.. Digamos que o milho hoje em dia está em todo o lado.

Se tiverem oportunidade vejam, podem ver inclusive em 6 partes de 15 minutos cada no Youtube.

Fica o trailer:

E a primeira parte do filme completo no Yutube:

The Real Dirt on Farmer John – O Filme

Mais um filme que aconselhamos, e muito.

The epic tale of a maverick Midwestern farmer. An outcast in his community, Farmer John bravely stands amidst a failing economy, vicious rumors, and violence. By melding the traditions of family farming with the power of art and free expression, this powerful story of transformation and renewal heralds a resurrection of farming in America.

Through highly personal interviews and 50 years of beautifully textured footage, filmmaker Taggart Siegel shares Farmer John’s haunting and humorous odyssey, capturing what it means to be wildly different in a rural community.

Sem duvida um filme que nos deixou a pensar muito, especialmente por tudo o que ele passa…

Trata-se basicamente de um Filme/Documentário no qual é reportada a historia do Agricultor John na sua luta contra a economia, contra o abandono das terras e até violência, bem como os rumores que são lançados sobre ele.

Fez-nos sobretudo pensar em como a Família é muito importante e como devemos aproveitar ao máximo enquanto eles cá estão. Se tiverem oportunidade é sem duvida um filme a ver.

E lembrem-se: Aprendam o máximo possível com os vossos pais, eles não estarão cá para sempre…

E o trailer:

Vermicompostagem…

Espera, o que??

Sim isso mesmo que leram vermi vem de vermes(minhocas) e compostagem, bem isso já todos sabem o que é..

A realidade é que neste momento temos 2 tipos de composto lá por casa, temos em primeiro lugar a nossa Grande Caixa de Compostagem e recentemente começamos a tentar uma nova técnica que é a de Deep Litter no galinheiro, em que são as galinhas que fazem a compostagem natural da palha, depois falaremos melhor sobre isto num outro post.

Mas como a Grande Caixa de Compostagem está quase a meio e a das galinhas não da para por restos da cozinha, decidimos tentar um novo método, que é mais rápido e pode ser feito a escala mais pequena, e claro é sempre um novo projecto para os Fanecos 🙂

Em vermicompostagem, o vermicomposto ou lombricomposto é o resultado do metabolismo e consequentes excrementos das minhocas (vermicast), ricos em nutrientes e fauna microbiana e de resíduos de matéria orgânica não decomposta considerando-se um substrato de elevada estabilidade.
O vermicomposto melhora as propriedades químicas, físicas e biológicas do solo, possibilitando a melhoria das suas características, nomeadamente aumentando da sua fertilidade e consequente produtividade devido ao aumento da capacidade de retenção ou circulação de água e aumento da capacidade de retenção de nutrientes.

via Futuramb

Entretanto ja contactamos os Srs. da Futuramb que nos responderam muito rapidamente, e vamos agora proceder a montagem do Vermicompostor para mais tarde mandarmos vir as nossas minhocas trabalhadoras 😉

Para já vamos começar com um kit de 225 minhocas(450g) que conseguem “devorar” cerca de 100g a 125g de resíduos por dia. Depois logo se vê.

Para montar o compostador vamos usar caixas que deem para empilhar e fazer algo assim deste género:

E para isso vamos a procura ou no Chinês lá ao pé de casa ou ao Ikea que tem umas caixas que são perfeitas para isto e baratas 😉

Nos em principio vamos usar este DIY:

Também podem fazer Vermicompostores que nao sejam de empilhar, funciona na mesma, mas convém sempre ter furos no fundo por causa dos líquidos que vão saindo que por sinal são excelentes para depois regar os vegetais, é mais uma forma de Compost Tea.

E ficam, como sempre alguns links:

E um ou dois vídeos:

Nettle Tea…

No seguimento do post de ontem Compost Tea, eis que encontrámos mais uma soluçao, organica e desta vez para aumentar o nivel de nitrogeneo na terra naturalmente. E como é que vamos fazer isso?

Simples…confessamos que não queríamos acreditar, mas sim Nettle é urtiga por isso vamos fazer uma especie de chá de urtigas para colocar nas raízes das plantas ou simplesmente colocar por cima do composto que já temos a fazer à algum tempo.

Nota: antes de continuarmos convém mencionar que o que lemos é que esta mistela, poderá ter um cheiro um pouco desagradável, por isso antes de a fazerem escolham bem o sito onde a colocar.

Então e como fazer:

  • Balde de 18 litros
  • Urtigas com fartura
  • Agua da chuva

Com ajuda de um pau ou assim “esmigalhar” as ervas dentro do balde de agua e depois deixar durante 2 a 4 semanas tentando dar-lhe uma volta todos os dias. Quando está pronto, deitar para cima do composto numa solução de 1(porções de chá)-10(porções de agua), ou então directamente nas raízes ou na terra para plantação.

Esta receita é Francesa, e aparentemente os franceses usam as urtigas para fazer quase tudo, desde medicamentos, a omeletes, etc, etc…

Ficam alguns excertos com os respectivos links.

(…)But more germane to the gardener, purin d’ortie, which is best translated as a concentrated tea of nettles, is the most popular organic fertilizer. Jugs of the stuff are industrially prepared and for sale in every garden center. Even nonorganic gardeners here are partial to using it.(…)

French Gardening

Back to the case of nettles. Nettles fertilizer is so effective that it’s probably better than anything you can buy at the garden store. But it has so many more uses. How do people love nettles? Let them count the ways: 1) Dilute your nettles fertilizer “tea” and spray it on your plants for a safe insecticide that knows how to get rid of the bad bugs and keep the good ones (especially good for veggies like tomatoes); 2) If sprayed, it will also be a foliar fertilizer rich in iron, vitamin C, nitrogen, beta-carotene, B complex vitamins, phosphorous potassium, oligoelements, enzymes, chlorophyll, magnesium, calcium, silica, iodine, and amino acids. You can also enrich the soil by directly watering the ground around your plants; 3) The diluted fertilizer is known to stimulate your plants immune system, building their resilience to diseases and insects; 4) Undiluted nettles tea is a very impressive natural weed killer that will not harm your health, the soil or the environment; 4) Nettles leaves are also a great addition to the compost heap being rich in nitrogen they provide the fuel for the bacteria to accelerate the break down of the more “brown” compost; 5) Dry the nettles leaves to make an infusion tea that will give you an iron boost if you’re feeling run down. This tea is also a safe, gentle diuretic—considered restorative for the kidneys and bladder, and used for cystitis and nephritis. 6) As an expectorant, it’s recommended for asthma, mucus conditions of the lungs, and chronic coughs. Nettle tincture is also used for flu, colds, bronchitis and pneumonia; 7) Nettles are a traditional food for people with allergies as they are filled with formic acid, histamine, acetylcholine, serotonin (5-hydroxytryptamine), plus unknown compounds; 8.) Nettle tea compress or finely powdered dried nettles are also good for wounds, cuts, stings, and burns; 9) Other uses include treating gout, glandular diseases, poor circulation, enlarged spleen, diarrhea, and dysentery, worms, intestinal and colon disorders, and hemorrhoids. 10) Eating nettles or drinking the tea makes your hair brighter, thicker and shinier, and makes your skin clearer and healthier—good for eczema and other skin conditions.

Why Travel to France

E pronto, já temos mais um projecto, mas temos que escolher bem o sitio onde vamos colocar a “mistela” senão os vizinhos correm com a gente de vez 😉

Espinafres Desidratados…

A semana passada quando fizemos as compras do “mês” decidimos comprar um pacote daqueles de espinafres que já veem cortadas as folhas e que custam qualquer coisa como 1€…

Ora quem conhece os pacotes, e infelizmente não temos foto, aquilo tras espinafres para fazer umas dez sopas. Claro que a solução estava na cara, Desidratar o resto que nao iamos usar.

E assim foi, com algum receio porque nunca tínhamos desidratado espinafres lá enchemos 4 prateleiras do desidratador com as folhas do saco.

Segundo o que lemos, isto nao precisa de ser cozido, os unicos cuidados são:

  • Aquando da hidratação, usar um pouco de sumo de limão
  • Guardar em sitio sem luz para nao mudar de cor
  • Quando se desidrata, remover os caules grandes…

Tirando isso é mesmo tão simples como meter as folhas tentando minimizar o numero de folhas sobrepostas e passadas cerca de 4 horas, sim é mais rapido que tudo o resto, tinhamos um frasco com uma quantidade substancial de espinafres, mas com um tamanho bem mais reduzido.

Aqui neste frasco está apenas uma das prateleiras, com as outras 3 ficou a meio, que é sempre mais pequeno do que um saco a ocupar espaço no frigorífico.

Sabemos que já o dissemos várias vezes, mas vamos continuar sempre a dizer, Cada vez estamos mais satisfeitos com a técnica de desidratação. Até já pensamos em comprar o supra-sumo dos desidratadores… 😉

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...