Suporte para os Tomateiros 2012

O ano passado, tínhamos em mente varias técnicas que queríamos usar para fazer o suporte para os nossos tomateiros, inclusive, quando começamos a investigar, apercebemos-nos que tínhamos plantado os tomateiros num mau sitio, porque iria interferir com o quintal do vizinho e porque apanhavam pouco sol, e a prova disso é que este ano que plantamos num sitio com muito mais sol, eles estão cada vez maiores.

Por isso estava na hora de fazer novamente o suporte para os tomateiros. Voltando um pouco ao ano passado, tentamos varias ideias no papel, e acabamos por usar umas réguas de madeira que lá tínhamos, com uns pregos, fio, e alguma habilidade, e ficou isto:

Que serviu muito bem, mas devido a ser de madeira sem qualquer tratamento, quando chegou o fim da época do tomate e o desmanchámos, foi todo para reciclar.

Este ano já nos estávamos a preparar para fazer novamente em madeira com outros restos que lá tínhamos, quando encontramos as nossas amigas réguas de cantoneira que tinham a medida perfeita para o queríamos 🙂 foi só pegar nos 6 pedaços de régua, alguns parafusos, fio, e zumba, temos o suporte para os tomateiros de 2012:

Ficou um pouco mais a justa do que o que queríamos e os pobres dos pepinos e dos pimenteiros ficaram ali um pouco mal localizados, mas esperemos que se safem também 🙂

Ah, e claro esta estrutura tem a vantagem de ser desmontável, e para o ano voltarmos a usar, a única coisa que teremos que fazer é meter fios novos.

 

O Canon 430EX…

À pouco tempo obtivemos em segunda mão um par de flashes Canon 430EX, em que um deles só disparava a 100% de potencia e o outro tinha o difusor de 24mm partido devido a uma queda…

Andámos a procura no eBay, e chegámos a conclusão que ficava por cerca de 20€ um novo difusor, mas foi quando a pessoa que nos deu os flashes nos deu a ideia de tirarmos o difusor do flash que só disparava a 100% e colocar no outro, passando assim de ter dois flashes a funcionar “coxos”, para passar a ter um 100% funcional e o outro a 50%, e claro a preço 0€, que é o que nós gostamos mais 🙂

E assim fizemos. Não há muita informação online sobre este tipo de operaçao, talvez porque quando isto acontece as pessoas preferem comprar novo, mas depois de muito procurar lá encontramos um que ensinava, mais ou menos que parafusos tirar, tínhamos o ponto de partida, depois era só ir a pesca..

Fizemos um pequeno timelapse que não ficou dos melhores, mas dá para ter a ideia de que é um processo simples, desde que se tome atenção aos parafusos para não sobrarem 😉

Mais um DIY com sucesso da nossa parte, e que nos poupou alguns €€€ 😉

 

Painel de Controlo dos Paineis Solares…

Para colocar toda a parafernália de coisas para controlar os painéis solares, tínhamos que ter uma especie de quadro na parede, e depois de vermos muitos Youtube’s e paginas online, decidimos ir pela técnica de quadro saído da parede.

A ideia era aproveitar uma “estante” de pinho que já tínhamos comprado, nas oportunidades no aki, à alguns meses, e que estava lá para a garagem, e fazer algo como isto, que fizemos no sketchup 😉

A caixa que compramos no Aki tem 72x36x30cm e o objectivo, visto que na parede onde irá ficar só temos 19cm de profundidade, é cortar dos 30cms duas tiras de 12cms cada e de uma caixa fazer duas. e ficar assim com um quadro de 74cm’s por 72cm’s de altura e 12cm’s de profundidade.

Depois ainda leva duas portas em branco, para condizer com o resto do escritório onde serão colocados os acessórios, como o Voltímetro, Amperímetro, interruptores, disjuntores, carregadores de baterias, etc…

Nota: O desenho no sketchup não esta bem com as medidas certas, porque ainda não percebemos bem como redefinir um tamanho de um objecto depois de criado, sem ser com o Scale.

Os Cabos do Painel Solar…

Tínhamos duas maneiras de ligar os painéis solares, ou em serie ou em paralelo, sendo que em série ficávamos com um sistema de 24V e em paralelo com um sistema de 12V.

Havia aqui várias coisas a considerar sendo uma delas o comprimento/mm2 do cabo de ligação, porque em DC(corrente continua) as percas pelo cabo são muito grandes, por isso um cabo quando maior o condutor melhor a condutividade.

Conseguimos arranjar um cabo 3G4 ou seja 3 condutores de 4mm2 cada,  o que dá um cabo de 33mm2 alem disso ainda decidimos usar, não um, mas sim dois destes cabos, um para o positivo e outro para o negativo e assim segundo as nossas contas mantivemos a perca abaixo os 3% que recomendam, na realidade com este cabo as percas ficam abaixo dos 0.5%. Claro que isto é num sistema de 12V se fosse em 24V mudava tudo, mas como todo o resto do equipamento que temos é 12V decidimos manter os 12V. Os testes que já fizemos esta com óptimas performances.

Nota: Em serie mantêm-se os Volts e duplicam os Amperes. Em paralelo mantêm-se os Amperes e duplicam os Volts.

Voltando aos cabos do painel, eles de fábrica veem com conectores MC4 que os bons são caros, e já tínhamos lido que os baratos (made in China) não são viáveis e por vezes deixam mesmo de funcionar, decidimos ir pela solução de cortar os terminais e fazer ligações directas as barras de terminais, mas faltou-nos um pormenor, não tínhamos barras para tal tamanho de cabo, lá fomos pela solução à tuga (QUE não recomendamos a fazerem).

Sim, isso mesmo, fita-cola… vergonhoso… Mas nada que depois no dia seguinte e uma visita à loja de artigos de electricidade não resolvesse.

Comprámos uma barra de neutro com 13 terminais.

Cortamos ao meio e ficamos com duas barras de 6 conectores para cada lado, o que dava para o positivo com três condutores do cabo principal e para os dois positivos dos dois painéis, e a mesma quantidade para o negativo do sistema.

Depois ainda mudamos cada um para a sua caixa estanque, uma para o positivo e uma para o negativo, e ainda ficamos com a possibilidade no futuro de adicionar ate mais dois painéis. Para já estamos satisfeitos com estas ligações e é o que irá ficar.

A Base do Painel Solar..está no telhado…

Depois de muito investigarmos e de muito pensarmos, decidimos que o que quer que fizéssemos tinha que cumprir os requisitos que indicamos no post anterior (aqui).

E assim foi, compramos o mais barato possível, e aproveitamos uma solução que existe no Aki que usa partes de plástico para criar formas com tubos de alumínio. Sim, talvez o plástico não seja muito durável, mas pensamos que vai durar tempo suficiente para pagar os painéis e substituirmos por outra coisa qualquer, o importante é meter os painéis no telhado o mais rápido possível e com a maior segurança possível, ou seja para não voarem 😉

Demoramos perto de uma manhã de “corte e costura” e depois mais algumas horas da tarde para colocar no telhado, mas o resultado pensamos que ficou muito bom, e já lá estão os acessórios para uma futura expansão. Tiramos algumas fotos do processo de fabrico, mas sao um pouco chatas por isso fica apenas um mosaico de 4 dessas fotos.

Nao ficou bem centrado como queríamos, mas talvez assim ate esteja melhor. Os painéis teem 4 parafusos cada a prender sendo que são 2 a barra superior e mais 2 a barra inferior, e teem entre eles 2.5cm’s de espaço por motivos de circulação de ar/aquecimento.

O resultado final é este:

Para já estão regulados para 15º que é o ângulo recomendado para esta altura do ano, depois também faremos um post sobre isto do ângulos, e depois no inverno quando passar para os 45º é só substituirmos as barras traseiras de 33cm’s por umas de 110cm’s e está o ângulo feito.

Só ficou a faltar fixar ao talhado com parafusos definitivos porque estamos com um problema de falta de cabo, e por isso tiveram que ficar ali muito em cima da antena, o que implica que a 45º fica a frente da antena cortando assim o sinal de TV, e isso não pode ser, vamos ter que os chegar um pouco mais para o lado.  Aproveitámos para refazer as caixas de conexão do positivo e do negativo separando-as e colocando novos terminais, depois falamos nisso noutro post.

A Base do Painel Solar… v2.0

Quando começámos este projecto, falamos neste assunto, e estava tudo indicado que era o que iríamos usar para servir de base para o nosso painel, mas quando olhamos melhor chegámos à brilhante conclusão que não iria ser possível uma vez que:

  1. Só permitia ter um máximo de dois painéis
  2. Achamos que ia ficar feio e dar muito nas vistas devido a altura.

Estamos a falar deste post no qual mostrávamos uma base de uma antena parabólica, que supostamente seria a base do painel.

Como isto não servia tínhamos que ir para o papel desenhar uma estrutura que desse para:

  1. Ser estável
  2. Possibilidade de expansão (adicionar mais painéis)
  3. Possibilidade de regular entre 15º(Verão) e 45º(Inverno) de inclinação dos painéis.
  4. O mais barato possível 😉

Pegamos no Google Sketchup ( que nunca tínhamos usado na vida) e nalguns sites para cálculos de ângulos e tamanhos e afins, e o resultado final é este:

Note-se que os painéis não vão ser independentes, isto é só para ilustrar o tamanho dos tubos que irão fazer a regulação do ângulo. Sendo que o painel da esquerda é o que esta a 45º e o da direita a 15º.

Esperamos conseguir fazer isto este fim de semana.

Fiquem por ai que depois damos mais novidades.

O Projecto Solar… O Regresso…

No dia 09/03/2011 começámos um projecto que tinha o seu fim anunciado para breve, e isto porque após termos considerado todos os custo e a falta de matéria prima, o pequeno painel de 36W/12V/5Amp iria ficar pelo menos por uns 150€ ou mais… Por isso ficou lá na famosa prateleira que todos temos em casa que se chama de “Futuros Projectos”.

Infelizmente nunca mais se concretizou..

Mas eis que aproximadamente um ano depois surge uma nova oportunidade de continuar o nosso projecto Solar mas desta vez com coisas pré-feitas e por metade do preço e mais do dobro da potencia. A realidade é que hoje em dia já não compensa, em Portugal pelo menos, fazer o nosso próprio painel quando podemos comprar por poucos euros um painel de 100W/12V/6Amp.

E foi o que fizemos, ontem quando chegamos a casa tínhamos a nossa espera esta maravilha.

São dois painéis de 100W mono cristalinos de 12V/6Amp.

Claro que tivemos logo que as abrir para ver o conteúdo e fazer um teste:

Com tempo nublado e já perto das 19:00 estávamos a debitar uns belos 16.9V, infelizmente não conseguimos ver a amperagem porque já há algum tempo que o nosso voltímetro tem o fusível da amperagem fundido 😛 (Nota: nunca tentem ver a amperagem de uma bateria de 12 amp/h com um amperímetro que só da ate 10amp)

Resumindo, em breve irão surgir muitos mais posts sobre este assunto porque ainda este fim de semana ja vamos começar a montagem de alguns sistemas lá por casa, fiquem por ai 😉

Moldura do Ikea…

Quase todos temos lá por casa, pelo menos uma ou duas molduras do Ikea, daquelas de 3 ou mais fotografias que fica tão bem em qualquer sala ou qualquer quarto.

Ora bem esta moldura em questão já passou por duas mudanças de casa e tem perto de 3 anos, por isso já estava a sofrer de um grande mal, que é o de abrir pelos cantos devido a estar pendurada.

A solução era simples, um bocado de madeira, dois pregos da nossa adorada maquina de pregar a pressão e pumba, problema resolvido.

Simples nao? 🙂

E vejam o resultado final se não ficou gira.

E assim poupamos alguns euros de comprar uma nova.

Já lá temos mais algumas para levarem com o mesmo tratamento 🙂

Projecto Singer™

Um dos projectos que já à muitos anos tinhamos em mente, era o de termos uma maquina de costura antiga daquelas da Singer que ha por ai na casa de todos os avos. Mas como no nosso caso nao tinhamos na casa dos avos, decidimos ir a procura de uma so mesmo nossa.

A tarefa foi mais facil do que o que estavamos a espera e depois de perto de um dia de volta de Olx/Coisas.com/Custojusto.pt conseguimos encontrar a que era quase perfeita. E dizemos quase, porque os pes e o tampo nao sao os que tinhamos idealizado.

Mas o que podemos concluir é que assim ainda vai ser mais interessante, porque passamos do projecto de ter uma maquina de costura para um projecto que passa por ter uma maquina de costura e fazer um tampo como nós queremos. 🙂

E sem mais demora, apresentamos a nossa maquina de costura:

Brutal, não é? 🙂

Agora só falta mesmo comprar um bocado de madeira e começar a trabalhar no tampo de madeira maciça, porque este é daquele tipo de formica, e já está um pouco danificado. Mas isso já fica para outro post.

Enfim, mais um projecto aqui nosso 🙂

A Porta Nova da Villa Faneca™

Quando no passado dia 20/12/2011 fizemos a abertura nova para as miúdas entrarem guardamos logo as tabuas que cortamos para mais tarde fazermos uma porta e fecharmos a noite, impedindo assim que elas andassem pela noite fora na rua ou que tivessem frio.

E foi à mais ou menos dois fins de semana que o fizemos. Vamos entao agora falar um pouco sobre o processo.

O processo foi simples, usamos os bocados de madeira que cortamos para fazer a porta e com uns restos de madeira fizemos a moldura. Desta vez, ao contrario do que é habitual decidimos fazer com esquadria.

Em seguida e usando um pouco de corda, duas dobradiças e alguns parafusos, e ainda umas argolas de resto de um candeeiro e pumba, tinhamos uma porta que dá para abrir e fechar sem termos que entrar no galinheiro.

Simples, rápido e pratico 🙂

Mais um projecto que ate nem se pode dizer que tenha corrido mal.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...